Gastronomia

Rota da Luz, uma região onde a influência litoral desempenha um papel importante na riqueza gastronómica.

O mar, a ria e os rios do interior dão peixes de excelente qualidade que, em receitas transmitidas de geração em geração, ganharam merecida fama.

São bem conhecidas a sopa e caldeirada de enguias, as enguias fritas ou de escabeche, as magníficas caldeiradas de peixe, os sabores únicos das espetadas de mexilhão, da raia de molho pitau e da petinga de alhada, o paladar da caldeirada de peixes do rio e da tradicional lampreia.

Da forte ligação da Rota da Luz à pesca longínqua, uma enorme variedade de receitas de bacalhau, do tradicional bacalhau com arroz de espigos ao mais recente bacalhau com natas.

Para os apreciadores de uma cozinha requintada a apetitosa sopa do mar, a feijoada de marisco e o arroz de marisco são iguarias a não perder.

Do inigualável sabor do leitão à Bairrada, à chanfana ( de borrego ou de cabrito) da vitela ou carneiro à lampantana, à chouriça com grelos, aos rojões ou ao cabrito assado, a gastronomia da Rota da Luz permite-lhe encontrar magníficos pratos capazes de satisfazer o mais exigente dos apreciadores.

Isto sem esquecer a soberba vitela assada e os tenros e suculentos bifes de vitela da zona serrana.

Ao longo dos rios, românticos moinhos de pedra vão moendo a farinha com que se fazem o pão de UI, o pão de Vale de Ílhavo, as padas da Veiga, de Canelas e de Pardilhó, a broa de milho e a triga-milha.

Para melhor saborear a refeição, nada como um bom vinho. Do vinho verde, na zona norte da Rota da Luz, aos famosos vinhos e espumantes da Bairrada. Como digestivos, as magníficas aguardentes velhas e os licores caseiros.

De receitas antigas, muitas delas transmitidas em segredo, é feita a doçaria da Rota da Luz. Nas cozinhas conventuais surgiram os ovos moles de Aveiro e a diversificada doçaria de Arouca (morcelas e castanhas doces, fatias húmidas, barrigas de freira, roscas e charutos de amêndoa, bôlas de S. Bernardo, manjar de língua).


O louro e fofo pão-de-ló de Ovar, da Murtosa ou de Serradelo (Castelo de Paiva), os pastéis de Águeda
os beijinhos e os amores de Sever, as bateiras e as barquinhas do Vouga, os doces brancos, os doces de Serradelo…

Doces de ovos, caladinhos, beijinhos, zamacóis, queijadas de cenoura, folares, rosca, raivas, bolo de 24 horas, papas de carolo, leite creme, melindres, cavacas, fuzis, sequilhos, suspiros, turcos…

Um sem número de doces capazes de seduzir a mais forte das vontades de resistir aos prazeres da boa doçaria.